Em Setembro ...

Uma vez eu li uma frase que dizia algo do tipo “ O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”

Quando passamos por certos problemas na vida, ou recebemos certos diagnósticos acho que a visão de mundo muda. Pelo menos foi assim comigo.   

Quem me conhece sabe que muitas vezes penso primeiros nas pessoas que amo para depois pensar em mim. Não sei se isso é qualidade ou defeito, ou uma mistura de ambos. Mas na marra tive que começar a aprender a pensar mais em mim depois de 2015, nas coisas que eu quero e com isso fazer o possível e não ficar estressada por tentar o impossível para ver todos a minha volta bem... pois o nosso organismo acaba não aguentando.

Fatores emocionais, segundo estudos também pesam bastante na saúde física e emocional. Ano passado já não foi fácil, pois além dos desafios de uma pandemia e todas as restrições impostas por este vírus, ainda tive que encarar vários medos, expectativas, ansiedade etc. por ter que me submeter a uma nova mastectomia.... só quem passa por certas coisas sabe...mas graças a Deus e ao apoio de pessoas que amam tudo deu certo e foi apenas mais uma etapa vencida.

Como de certa forma foi uma nova cirurgia, então ainda há alguns ajustes a fazer com relação a reconstrução das mamas.

 Ainda sobre algumas definições, para depois voltar a frase inicial deste teste, gosto muito da palavra “Empatia” . A palavra empatia refere-se à habilidade psíquica de perceber o mundo a partir do olhar de uma outra pessoa, isto é, de compreender de maneira profunda as razões e sentimentos que motivam as suas ações, evitando julgamentos antecipados... e são poucas as pessoas que têm essa capacidade.  E se colocar no lugar do outro serve para vários aspectos na vida, pois quando você se coloca no lugar do outro considerando todo contexto que de situações que a pessoa já viveu ou está vivendo talvez fique mais fácil a compreensão do porquê de certos medos, de certas angústias, de certas ansiedades e outras coisas mais...

As vezes julgamos ou idealizamos que as pessoas que amamos nos entendem, ou tem empatia por nós, mas nem sempre é assim.... infelizmente.

Posso falar por mim, ... quando você recebe um diagnóstico que te tira o chão, que faz seu mundo e seus conceitos girarem de cabeça pra baixo o valor que você passa a dar as coisas, a sentimentos, a gestos, a atitudes também mudam. Se antes você achava que trabalhar de forma incessante e estressante era fundamental, hoje você se questiona se não pode ser diferente, ... não estou dizendo “deixar de trabalhar”, mas tentar ajustar horários, tentar parar quando o ritmo estiver exagerado, tentar dividir mais tarefas, enfim...tentar melhorar a qualidade de vida, pois você começa a perceber que talvez não tivesse qualidade de vida antes, esta apenas vivendo numa espécie de automático, tipo um robozinho..

Pois por mais que aparentemente você seja jovem, ter 34 – 40 anos você pode estar vivo hoje e de repente sair na rua e não estar mais aqui amanhã.  Pode parecer ser pessimista ou drástico falar algo do tipo, mas não temos controle do tempo que temos de vida, isso depende do que Deus planejou para cada um. Então a sua referência de tempo muda completamente, e você passa a ter urgência em viver, viver de forma intensa, viver o hoje, e cada momento tem significados diferentes. Por isso, voltando a frase do inicio do texto “O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem”

Esse ano também teve seus altos e baixos. Após 06 meses de cirurgia que emendou com covid eu achava que já tinha superado certos desafios, queria me dedicar mais a mim, a meu sonho de ser mãe, de ter a minha família... mas algumas coisas surgiram...

Em junho tive uma crise de cálculo renal.... depois de tratamento a dor não passava, exames de um lado e do outro descobri um cisto no ovário enorme. Então, voltando a uma analogia com a palavrinha empatia, imagina e me diz como fica a cabeça de quem quer engravidar, com a idade que eu tenho, com todo meu histórico etc. receber uma notícia dessas... o bombardeio de coisas que passa pela cabeça é indescritível, não tem como explicar.

Antes de descrever gostaria de agradecer a Deus pelo presente que ele me deu de ter um marido tão parceiro, amigo e companheiro, que está ao meu lado quando preciso. Que dá forças, que enxuga cada lagrima, que faz de tudo para me fazer sorrir, pra me acalmar pra me dar forças pra seguir e mostra que está ali ao meu lado para o que precisar...As vezes a gente pode nem saber explicar com palavras o amor que sente por alguém e como ele é uma pessoa incomparável na minha vida. Te amo Jorge.

Voltando... Fiz alguns exames depois e para completar além do cisto enorme que fez o ovário crescer 8 x do tamanho normal, de ter 2 cálculos renais brigando lá por dentro foi descoberta uma endometriose profunda... Se 1 dos itens já dói imagina juntar os 3 numa pessoa só.... mas a dor física talvez não seja tão impactante como a emocional do que tudo isso pode repercutir ou influenciar no meu sonho... os cálculos de um jeito ou de outro vão ter que sair, mas o cisto e a endometriose, esses sim tiraram meu sono, geraram um turbilhão de sentimentos, de inseguranças etc... então nem posso cobrar empatia por isso ne?!!? acho que é difícil pedir que entendam certas reações, sentimentos, ... tem coisas que não se explica.... a gente só sente...e tenta seguir em frente e buscar alternativas e soluções.

Então é angustiante a expectativa do que cada médico especialista vai dizer ao analisar histórico, exames etc, para determinar possíveis tratamentos, pois de inicio alguns queriam operar, pois corria o risco do ovário torcer pelo cisto crescendo e de repente perder o ovário... outros levavam em consideração essa possibilidade de cirurgia pela não recomendação de tratar com hormônio, pois o câncer que tive era receptor de hormônio... depois tinha os especialistas que recomendavam o anticoncepcional para parar o crescimento do cisto, e evitar uma cirurgia que poderia também gerar a perda de reserva ovariana ou o próprio ovário, .... é meio que uma sinuca de bico em que você recebe uma enxurrada de informações e tem que decidir o que é menos ruim, pois cada proposta ou sugestão médica pode ou não interferir em algo, ai alguns medos e inseguranças voltam por tudo que já oi vivido, outros surgem e isso é pior que bomba atômica.

Depois de ouvir mais de 6 especialistas, precisei parar um pouco, e quietinha com minhas orações pedi para tomar a decisão que fosse mais correta. Optei por não operar de imediato e tentar tratar com medicação, e como Deus é bom e que sou abençoada foi a melhor escolha, o cisto regrediu e não preciso mais de cirurgia para isso. A endometriose e os cálculos ainda estão aqui arengando com meu organismo...

Mas isso tudo serviu de alerta, para me mostrar novamente o que é importante na vida, que não são bens materiais, ou coisas materiais que importam nas nossas vidas, mas sim as pessoas que temos em nossas vidas. E como é importante certas demonstrações disso, como é importante você receber o apoio, o carinho, a atenção em certos momento, pois isso acalma, isso conforta, isso faz você se sentir amado e querido e te dá forças para seguir em frente e passar por mais uma etapa ou desafio. Claro que a gente tem uns momentos de baque, até assimilar tanta coisa e informação, cada pessoa é um mundo e tem sua forma de reagir ao que lhe acontece... as vezes tempos reações mais ou menos intensas, mas talvez por medo de algo que ainda não conseguimos explicar ou que é desconhecido.

Esse novo alerta me mostrou que preciso pensar ainda mais em mim, alguns podem julgar que isso é egoísmo.... mas já tive tantos alertas de que preciso viver e aproveitar cada momento que o tempo e a vida me oferecem e guardar na memória e no coração cada momento inesquecível.

Aos poucos estou voltando as artes plásticas, pintura e escultura, depois vou descobrindo outras atividades que me façam bem, enquanto sigo em busca de realizar meu sonho de ser mãe , são vários desafios que terei pela frente, mas já passei por muita coisa, posso passar por mais um monte que vier...