Em Novembro...

    O ano de 2020 foi se, dúvida um ano atípico em diversos sentidos, o ano que fez não apenas uma cidade mas o mundo inteiro parar em função de um vírus, de uma situação de pandemia talvez nunca antes vista ou vivida. E no meio dessa confusão toda surgiu a necessidade de refazer todo o procedimento de mastectomia e reconstrução de mama. Como mencionei em postagens anteriores, as cirurgias de 2015 e 2016 tiveram inúmeros erros técnicos, ficou muito tecido mamário que precisava ser removido, bem como a necessidade de refazer a reconstrução das mamas – de ambas.

   A cirurgia ocorreu em 24 de novembro de 2020, em São Paulo.  Por causa da pandemia, regras hospitalares também sofreram mudanças. Meu marido, que além de ser o amor da minha vida, mas também é meu melhor amigo, meu companheiro, meu parceiro, meu tudo me acompanhou em todos os momentos. O hospital não permitia mais do que um acompanhante nem a troca de acompanhantes, então meu irmão ficou me acompanhando “online” no período hospitalar e dando total apoio nos dias de pós operatório.

   Fazer cirurgia para muito já não é algo fácil de lidar. Ter que refazer um procedimento e uma cirurgia de grande porte como essa também é algo que foi preciso de um tempo para assimilar as informações, buscar forças e seguir com fé que tudo daria certo. Qualquer tipo de cirurgia representa riscos, ainda mais uma cirurgia desse tipo de grande porte, que demorou mais de 8 horas em bloco cirúrgico. Quando os médicos falaram que precisava refazer tudo, refazer a mastectomia e reconstrução foi como se uma bomba tivesse caindo em cima de mim, pois psicologicamente era inevitável reviver certos medos, de enfrentar os problemas já enfrentados anteriormente em relação a dor, a problemas de cicatrização entre outros que ocorreram já descritos. Vencer esses obstáculos que a mente automaticamente cria, considerando todo o histórico já vivido não é fácil, mas meu marido e minha família me deram amor e apoio para vencer isso e encarar a cirurgia de novo, e dessa vez sem dor, sem complicações pós cirúrgica. Então me considero uma pessoa muito abençoada por ter Deus ao meu lado e essas pessoas presentes na minha vida.

    Além de precisar refazer o procedimento de mastectomia, o procedimento incluía a cirurgia de retalho do músculo grande dorsal é a reconstrução da mama com o músculo grande dorsal (músculo das costas) associado à uma elipse de pele das costas do mesmo lado da mastectomia. A reconstrução com o músculo das costas é chamada de reconstrução com o músculo grande dorsal, pois este músculo está situado no dorso, um em cada lado (direito e esquerdo) e se trata de um músculo plano e em geral forte. Este músculo provê suprimento sanguíneo para a e pele localizada sobre ele e, consequentemente, na cirurgia de reconstrução da mama, um grande segmento (fuso ou ilha) de pele será utilizado para criar a nova mama. No meu caso foi uma ilha.

   Tecnicamente o primeiro procedimento é o do mastologista, que retira todo resíduo de tecido ainda existente e envia as amostras para análise do material. Em seguida entra a equipe da plástica.  Que primeiro vai remover esse tecido muscular para depois girar e colocar na parte da mama, cobrindo a prótese de silicone. Então há necessidade de cortes e cicatrizes na parte das costas e tambem na parte das mamas. 

    As cicatrizes resultantes são uma horizontal oblíqua nas costas e outra ao redor da mama reconstruída. Como são cortadas as terminações nervosas do musculo, fica uma sensação bem estranha depois, como se não houvesse sensibilidade na região. Não sei quanto tempo meu organismo vai levar para recuperar a sensibilidades das areas cortadas ou mesmo se consegue recuperar isso. 

    Nesta cirurgia são utilizados drenos tanto no dorso como na mama reconstruída que, em média, são retirados dentro de uma semana na mama reconstruída e duas semanas no dorso. Foram 08 drenos no total, que durante dias ficam “ penduradinhos” . O pessoal da enfermagem ensina como manuseá-los e também a fazer a retirada diária dos líquidos e medição dos mesmos, pois isso é o que vai indicar se já podem ser removidos. Uma coisa é fato, são bem chatinhos e é uma verdadeira “novela” tomar banho com aqueles trequinhos que são tão importantes e fundamentais, pois quando mais líquido sair, mais rápido desincha e mais rápido você consegue ir se livrando deles.

   A retirada dos drenos não é dolorosa, mas causa um desconforto leve e rápido. Haviam alguns pontos, para segurar os drenos, os quais foram retirados com os mesmos.

   Apesar de tantos cortes, e tão grandes não senti dor no pós-operatório. As mãos ficam inchadas os 2 primeiros dias, mas depois vão normalizando. As recomendações é de deitar-se levemente inclinada, com barriga pra cima, as mãos mais altas pois isso evita a fadiga muscular.

   Alugamos um flat no prédio ao lado dos consultórios médicos, e que também ficava de frente para o hospital Sirio Libanes. Então, se já existia medo de pegar Covid imagina nesse ambiente todo?!  Acho que o estoque de álcool 70, spray desinfetante e outros itens a gente tinha lá no flat.

    A média para retirada de drenos era de 10-15 dias, mas os meus foram retirados antes disso a medida que a recuperação foi evoluindo. E é um alívio enorme ir retirando aqueles trequinhos, pois dá uma sensação incrível de que de fato você está bem e se recuperando de tudo aquilo.

    Os movimentos de braço vão sendo liberados aos poucos pela equipe médica, com os drenos praticamente não se pode fazer muito esforço, nem para pentear um cabelo por exemplo, primeiro porque você esta sem força, depois para não bagunçar nada da cirurgia. Aos pouquinhos você consegue ir fazendo as coisinhas do dia a dia, mas é fundamental ter ao seu lado alguém que te ajude, que te apoie em tudo, talvez isso tenha sido um dos fatores mais fundamentais para minha recuperação ser tão rápida e ter tido alta até antes do prazo previsto. Foi tanto amor e tantos cuidados de Jorge comigo que não tenho como descrever em palavras o quanto sou grata e como foi tudo tão especial para mim. Além dele estar ali ao meu lado 24 horas, também tinha todo apoio, amor e carinho dos meus pais, irmãos, e família, que mesmo de longe ligavam sempre para saber como eu estava.

     Por isso aproveito novamente para agradecer a todos que estiveram ao meu lado nesse período, principalmente porque nesse momento de pandemia essas pessoas não puderam estar ao meu lado fisicamente como gostariam, mas cada mensagem, cada ligação e vídeo foram super importantes para dar forcas e amor para uma recuperação breve. E agora posso dizer que finalmente cumpri todas as etapas de cirurgias que se iniciaram em 2015 com o diagnóstico do câncer de mama.

    Vou colocar um vídeo que explica melhor com a imagens um resumo da cirurgia.

 

 

 

exemplo de como são feitos os procedimentos

Em agosto...

                Este mês de Agosto completa 05 anos que recebi o diagnostico de Câncer de Mama.  Na época foram dias tensos e tristes para assimilar tantas informações e tantas mudanças que aconteceriam na minha vida. Hoje analiso como esse diagnostico gerou mudanças na minha vida, na minha forma de pensar, de ver o mundo, de dar mais valor a certas coisas. Como já disse anteriormente a parte física das cirurgias podem ser incomodas, podem deixar marcas ou cicatrizes, podem até causar impactos em alguns momentos, mas o mais importante é a vida.

                Mudanças fazem parte da vida que é um ciclo constante, e se pararmos este ciclo por medo das mudanças, estaremos sabotando nossas chances! A vida é ação, é movimento constante e como a água que precisa fluir, e como um rio as vezes percorre cursos de altos e baixos. Se há 05 anos eu estava passando por um momento triste, hoje é o oposto, pois nunca me senti tão bem, além da saúde estar ótima vivo um momento mágico na minha vida. Tenho ao meu lado um amor, que é tudo que sempre quis e desejei na vida, tenho saúde, tenho meus pais com saúde e ao meu lado, tenho meu trabalho que amo, e tantas outras coisas que seria uma lista muito grande para descrever aqui.

                    Há 05 anos comecei a perceber que nada nessa vida é pra sempre e que tudo pode de alguma forma ser mudado, percebe também que as pessoas mudam, que os pensamentos mudam, e que se você não mudar, a vida muda você, porque tudo o que fazemos, sentimos ou queremos nem sempre são do jeito que havíamos planejado.  Basta olhar ao redor pra notar que nada é do jeito que você quer, não foi feito igual ao imaginado, vai ser sempre diferente, sempre de outra forma, vai ver que é modificado, vai querer fazer de novo, e vai mais uma vez se surpreender.... e muitas vezes se surpreender de uma forma positiva. Tudo tem um proposito e um significado nos planos de Deus, então precisei passar por certas experiencias para chegar nesse momento de hoje, no qual me sinto tão bem e feliz, e só tenho a agradecer a Deus, e a todos que estão sempre ao meu lado.

 

 

Em julho...

     Se antes já tinha o hábito de fazer autoexame de mama, depois de todos o processos de cirurgia, tratamentos, procedimentos isso intensificou um pouco mais. Então em meio a pandemia, começei a observar um certo volume arredondado na mama direita. Muitos dos medicos e clinicas estavam sem atender. Então precisei aguardar e ficar um pouco ansiosa e na expectativa para tirar a duvida do que se tratava. 

      Atraves de um exame de ultrassonografia de mamas foi possivel observar que haviam varios cistos nas mamas. Alguns podem até ser palpáveis, outros nao. Como Durante o procedimento cirugico de reconstrução das mamas houve inxerto de gordra isso pode gerar esses cistos, ou tambem pode ser uma reção do meu organismo a tantos procedimentos.

     Como esta pode ser uma linguagem estranha, vou aproveitar oara tentar esclarecer a diferença entre cisto e nodulo. Desde meus 20-22 anos sempre tive disgosticos de nodulos, e um deles foi maligno, então cisto pra mim foi novidade... e apesar de ser mais de 7 é uma novidade boa, pois cistos são benignos e não causam mal. 

     O cisto mamário, também chamado de quisto mamário, oucisto na mama  é a lesão benigna mais comum da mama, podendo ser encontrada em mulheres de qualquer idade, apesar do seu pico de incidência estar entre os 35 e os 50 anos de idade. Uma mulher pode ter um ou múltiplos cistos na mama, que por sua vez podem acometer apenas um ou ambos os seios.

 

     Os cistos são lesões redondas ou ovais, que costumam ser descritas pelas pacientes como uma uva ou um pequeno balão cheio de água que pode ser palpado na mama.Em medicina, se chama de cisto toda coleção líquida ou semi-liquida que fica envolta por uma membrana, formando uma espécie de bolsa ou saco. O cisto mamário, portanto, é uma pequena coleção líquida, que fica localizada dentro da mama.

     Em resumo, não preciso me preocupar com meus cistos, meu organismo pod ate absorver com o tempo e alguns podem vir a desaparecer, ou mesmo outros podem surhir, mas são benignos. 

     Mas além de ter a certeza que esta tudo bem, e que forma apenas uns dias de suspense ae aprensão aguardando poder fazer o exame, tambem foram dias de total apoio e companheirismo do meu amor. Então agradeço a Deus todos os dias por ter colocado em minha vida alguem tão especial, que faz questão de me acompanhar em tudo e estar sempre ao meu lado dando todo apoio, carinho, atenção e conforto sempre que preciso.... literalmente segurando a mão em momentos dificeis ou mais tensos. Como é maravilhosos saber que ao mesmo tempo que se sabe que os exames não mostram nenhum tipo de novidade ruim, e voce tem alguem ali ao seu lado para te abraçar bem forte e dizer " esta tudo bem" 

     Com a pandemia outros exames precisam ser realizados para consulta de rotina, que deveria ser em março, agora deverá ser entre agosto e setembro.... em breve mais novidades!

Em abril ...

         O ano de 2019 já foi um ano bem intenso e com muitas mudanças, mas também com notícias muito positivas com relação aos procedimentos que ainda preciso realizar. Como relatei em 2019, quando descobri em 2017 uma série de erros médicos que ocorreram nas minhas cirurgias de mastectomia e reconstrução, forma tantas informações que resolvi “me dar férias” de cirurgias, não deixando os acompanhamentos médicos de lado, mas dedicando um tempo a mim. Minha formação é religiosa é católica, estudei a vida inteira em colégio católico, e no início da vida adulta fui deixando isso de lado. No entanto o período após minha após diagnostico e tratamentos voltei a descobrir aos poucos a importância da fé em Deus na minha vida.  Exemplo disso foi relatado em 2019 quando os médicos não encontraram uma explicação técnica/ cientifica para justificar a mudança do meu corpo e consequentemente do procedimento cirúrgico que ainda se faz necessário. 

         No final do mês de outubro de 2019 conheci alguém muito especial, o Jorge, que me mostrou ainda mais a importância a religiosidade em nossas vidas, bem como  aos poucos foi me mostrando outros valores e princípios que também são importantes nas nossas vidas.

         Eu havia planejado fazer minha última cirurgia em dezembro de 2019, mas tantas circunstâncias e situações ocorrem entre setembro e dezembro que resolvi adiar, pensando em deixar para o ano de 2020.  Eu havia planejado uma sequência: faria a cirurgia, depois de um período de 1-2 anos tentaria ser mãe através de um procedimento de fertilização.  Como eu havia planejado (em setembro/2019) ser mãe solteira precisava desse tempo para organizar algumas coisas. Mas aí é onde quando você menos espera a vida vem e te surpreende com algo que muda sua vida, muda sua visão e te desperta e sacoleja bem forte. E no meu planejamento não estava previsto me relacionar com alguém. Mas tem coisas na vida que não somos nós quem escolhemos, é alguém lá de cima que olha por nós que determina certas coisas que não conseguimos explicar.

         Convivendo com Jorge, fui revendo alguns planejamentos e até mesmo conceitos. Ele tem um filho de 6 anos, lindo por dentro e por fora, uma criança realmente apaixonante e extraordinária, e   essa relação entre pai- filho me despertou que seria um egoísmo enorme da minha parte ser mãe através de um procedimento de fertilização e tirar o direito de um filho ter um pai, principalmente quando você começa a ver o que é ser um pai dedicado, amoroso e presente. Essa relação também me fez despertar para o valor da família, então isso me fez mudar bastante. Hoje quero uma família – quero eles como minha família, e tentar de forma natural ter nossos filhos num futuro próximo.

         Precisei relatar essas coisas para tentar demonstrar como ele é importante e especial na minha vida. Digo isso porque logo após o carnaval, recebi um e -mail do geneticista de São Paulo, dizendo que precisaria de uma autorização minha para refazer meu exame genético – aquele que indica se a pessoa tem ou não mutação para BRCA 1 e 2 . O argumento foi que como minha tia que teve câncer teve um resultado positivo para o teste de mutação ( isso há mais de 1 ano atrás) e surgiram novas tecnologias, o geneticista queria confirmar se realmente meu exame continuaria NEGATIVO para mutação ou se mudaria o resultado.

         Então imagina o choque ao ler isso!??!!  Principalmente depois de mais de 2 anos de resultado, de ter reprogramado a vida, objetivos, planos, projetos ai vem  alguém te diz “ teu resultado pode mudar”   e consequentemente vem um super filme na sua cabeça de coisas que podem mudar, tratamentos que podem mudar, procedimentos que podem precisar ser revistos ou refeitos, enfim, ... um pesadelo. Dei a autorização pra realizar o exame, pois seria utilizando o mesmo material genético já colhido e armazenado no laboratório de São Paulo, e perguntei em quanto tempo teria o novo resultado. Fui informada que seria num prazo de 20 dias.  Então a cabeça liga um super turbo de pensamentos de todo tipo, imaginando mil coisas ou analisando e relembrando coisas já vividas que você não quer viver de novo....

         Isso foi numa quinta-feira após o carnaval... eu já costumava ir com Jorge as missas aos domingos, mas no domingo seguinte a essa notícia, e ele percebendo o quanto isso mexeu emocionalmente comigo, me levou a um lugar que hoje é muito especial para mim  - um Santuário da Mãe Rainha.  O lugar é especial em vários sentidos, mas a sensação de estar sendo abençoada quando entrei lá foi tão diferente que não conseguia segurar as lagrimas durante toda a missa – até hoje não consigo explicar com palavras,  a única coisa que eu pedia era que o resultado do exame continuasse a ser negativo, que eu não tivesse mutação genética para câncer.  

         Depois disso, não precisei esperar os 20 dias, pois na terça o geneticista entrou em contato que haviam refeito o exame e o resultado continuava a ser NEGATIVO.  Nesse momento as lagrimas desciam, mas de alegria e alivio.  São em momentos como este que você se dá conta de que Deus existe, e quando você tem Fé, coisas surpreendentes acontecem na sua vida. Foi Jorge que me levou e apresentou a esse lugar tão especial,, bem como sempre esteve ao meu lado, apoiando e dando forças sempre que precisei, isso é mais um dos motivos do quanto ele é importante para mim e na minha vida, e por isso o amo tão intensamente cada dia mais.

         Agradeço todos os dias, primeiro pela vida que tenho, agradeço por todas as pessoas que estão sempre ao meu lado, e agradeço por ter alguém especial como ele na minha vida, que esta sempre ao meu lado em todos os momentos que preciso, e sei que sempre posso contar. Agradeço por ter descoberto um amor de verdade, que você quer para vida toda, assim como agradeço ter descoberto o quanto é importante ter uma família, e que filhos não precisam ser necessariamente de sangue, pois certos sentimentos e intensidades não se explicam, e amo Davi como se fosse um filho.

         Estamos num período atípico e conturbado com o surgimento do Coronavirus – Covid 19. Normalmente em abril faço meu check up anual em São Paulo, que no momento é o epicentro do Brasil em casos. Então preciso adiar isso por um tempo indeterminado ainda, bem como adiar a última cirurgia.