Seguem alguns relatos de quem está passando ou já passou pelo Câncer de Mama...

Depoimento: Elisangela Rodrigues de Oliveira

"Quando descobri a doença, não me revoltei com a vida, não esperneei, não gritei! Se pensei que iria morrer? Sinceramente sim. Até mesmo sem doença alguma. Quem nunca? Mas, existe um longo caminho entre pensar em morrer e querer morrer. Isso jamais quis! Apenas, pensei em amar mais, desvendar mistérios, sorrir muitíssimo  e realizar infinitos sonhos e vontades. 

 
Eu quero mais é viver! Viver cantando, viver contente, viver me surpreendendo, viver feliz...
 
Não estou dizendo que são momentos de alegria o tempo todo, nada de hipocrisia. Sentimentos divergentes aparecem em todos os momentos, mas, o que vai fazer a diferença é a maneira como lidamos com eles! Por que reclamar de tudo quando nós mesmos podemos amenizar uma parte da dor? 
 
É fácil falar, né?! Sim, mas também é fácil fazer. Vamos aos exemplos:
 
Estou careca e agora? - como disse, todos os sentimentos PODERÃO surgir... Aí você faz sua parte, pensando assim: "que bom que vou gastar bem menos dinheiro com salão de beleza, daí posso economizar e fazer algo que há dias queria". Ou então assim: "será minha nova oportunidade de deixar meu cabelo voltar ao natural". Você terá um visual simplesmente novo! rs
 
Tudo bem, ainda não se convenceu? Então, que tal você pensar em estilizar? Afinal, vai demorar um pouquinho para crescer. Enquanto isso não acontece poderá usar lenços das mais diversas formas ou assumir a carequinha e sair desfilando autenticidade e estilo por aí. Pode usar boinas, chapéus e porque não belas perucas?  Deixe a imaginação tomar conta de você!
 
Eu usei bastante lenços, boinas e até tentei uma peruca e sinceramente me amei de lenço! Mesmo depois que o meu cabelo crescer por completo continuarei a usar! (risos). 
 
Agora assumi o cabelo curtinho e pra quem tinha cabelão e só vivia na chapinha é uma mudança radical assumir os cachinhos, mas é uma delicia! Tem dias que sinto saudades do meu "ex-cabelo”. E acredita que até do lenço, as vezes eu já sinto falta? Você também irá sentir!
 
Você que está nessa fase da carequinha, sabe o que deve fazer? A resposta é simples: Faça o que seu coração mandar! Se você se sentir bem com a carequinha a mostra, com peruca, com lenços e boinas... vai lá e use; o que vale de verdade é como irá se sentir. Não pense nos outros nessa hora, mas exclusivamente em você!
 
SEJA FELIZ, SE FAÇA FELIZ!"
 
fonte: www.sbmastologia.com.br

Depoimento: Osmarina Garcia

"Com 34 anos descobri um carcinoma em uma das mamas, meu mundo desabou ao receber a notícia, e eu tinha que fazer a cirurgia com urgência, pois ele estava só localizado e corria o risco de se espalhar para outras regiões do corpo, foi uma loucura, em outro exame descobri uma lesão na outra mama e tive que retirar as duas mamas, fiz reconstrução com o musculo abdominal e 7 anos depois coloquei silicone, foi um momento muito difícil da minha vida, com dois filhos pequenos eu só imaginava o pior, mas meu marido, meu grande companheiro esteve comigo em todos os momentos, nunca me deixou abalar e sempre me colocou pra cima, foi meu enfermeiro, amigo, meu maior suporte. Hoje já se passaram 11 anos e eu estou curada e muito feliz, pois consegui vencer esta etapa da minha vida. Meu sonho é que um dia nenhuma mulher morra de câncer."

 

fonte: www.sbmastologia.com.br

Depoimento : Ana Claudia Ferreira

"Como recebeu a notícia de que estava com câncer?

Foi há três anos, eu estava com 47 anos e vivendo plenamente, cuidando dos meus filhos, trabalhando em uma profissão que amo, fazendo diariamente minhas corridas de 8km, namorando... Quando minha médica ginecologista, num exame de rotina, identificou um nódulo na mama esquerda e me orientou a fazer uma biópsia. Demorei três meses até tomar coragem de fazer o exame, com medo do resultado – o que hoje eu sei que foi um grande erro da minha parte, pois quanto antes iniciamos o tratamento, maior é a chance de cura.

E como sua família encarou a notícia?

Na minha família houve outros casos de câncer de mama - minha mãe e uma tia – e, portanto, eu fazia parte do grupo de risco. Desde os 40 anos, realizava anualmente exames de mamografia e ultrassonografia. Com o resultado positivo nas mãos, fui para casa conversar com os meus filhos e planejar como enfrentar o temporal. Uma das primeiras coisas que pensei, sinceramente, foi em terminar o namoro, pois além de ter mais tempo para ficar com meus filhos, sem um outro olhar sobre o meu corpo, ficaria mais fácil de encarar o tratamento. Mas meus filhos sabiamente me alertaram de que justamente naquele momento eu precisava de amor e que eu não terminasse de jeito nenhum. Nesse dia vi meus filhos amadurecerem em questão de segundos bem ali na minha frente.

Qual foi o momento mais difícil do tratamento?

O momento mais difícil é o do desconhecido. As horas que passei com meus próprios pensamentos, momentos de dúvidas, sobre como ficaria após a cirurgia, se os cabelos iam cair durante a quimioterapia  ou até mesmo de quanto tempo ainda teria de vida e o que ainda precisava fazer antes de partir.

De onde tirou forças para seguir a luta?

Durante o tratamento, com os cuidados e informações de toda a equipe médica, os pensamentos duvidosos vão dando lugar a uma determinação em direção à cura. Já que tinha de passar por isso, escolhi dar um bom exemplo aos meus filhos. Sem o suporte espiritual, físico e financeiro da família e de amigos queridos, eu não teria, apesar de tudo, boas lembranças de um momento muito difícil e delicado. Eles iam me visitar ou telefonavam  sempre com uma palavra de carinho e força, e ainda ajudaram a pagar as contas nos cinco meses em que fiquei sem trabalhar! Parei de pensar no amanhã e comecei a viver o hoje, com Deus no controle.                            

Como encarou a questão da vaidade?

Li num livro do filósofo Nietzsche, uma frase que me chamou atenção e nunca mais esqueci. Ela diz: "a vaidade é a pele da alma". Assim como, sem a pele, nossos órgãos ficariam expostos e não conseguiríamos nos olhar, sem a vaidade, nossos sentimentos bons ou ruins também ficam expostos, e a vaidade serve como um filtro para o nosso comportamento. Talvez seja isso que uma mulher com câncer de mama sinta, uma exposição sem filtro. Ter um órgão ligado à sua feminilidade alterado, seus cabelos deixando de definir o seu rosto e tendo de lidar com a vaidade de uma maneira tão diferente com um lenço, com novos cabelos, com um novo modelo de sutiã ou biquíni, com uma prótese ou duas... Felizmente, não precisei tirar toda a mama e, como meu tumor foi detectado no início, não fiz quimio, só radioterapia. Por cinco anos tenho de fazer um tratamento de hormonioterapia e visitar o médico oncologista com frequência. Mas quando vou lá, faço questão de ir bem bonita.

O que você pode dizer a outras mulheres que estão enfrentando a mesma doença?

Um amigo me apresentou um versículo bíblico (Isaias 43:2 ) que me deu muita força e eu repetia para os meus pensamentos negativos: "Quando passares pelas águas, Eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando caminhares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti". Portanto, querida parceira e amiga do peito, quando olhar para a cicatriz no seu seio, não veja doença, veja o fechamento de uma etapa, a possibilidade de cura. Ganhamos uma marca nova, uma tatuagem de alguém que passou pela vida."

 

fonte: Revista Veja

Depoimento: Ana Paula Machado

"Como recebeu a notícia de que estava com câncer?

Eu tinha acabado de passar por um período muito complicado. Engravidei e perdi, na primeira vez. Na segunda, engravidei de gêmeos e perdi um dos bebês no terceiro mês. Segui com a gravidez e meu filho nasceu, saudável. Quando ele estava com um ano e nove meses, eu estava tomando banho e realizando o autoexame, quando identifiquei um caroço. Fui à médica do meu trabalho e ela disse que era quase impossível ser câncer, porque eu não tinha histórico familiar e eu fazia exames anualmente e no último deles, alguns meses antes, não tinha aparecido nada. Ainda assim, ela pediu um ultrassom da mama. Fiz e apareceram dois caroços, um em cada mama. Ela pediu, então, a mamografia, que confirmou o primeiro exame. Para ter certeza de que era um tumor, ela pediu uma biópsia e o resultado foi positivo para uma das mamas. Fui ao meu ginecologista, contei tudo o que aconteceu, apresentei os exames e ele confirmou, era câncer. Ele disse que eu tinha duas opções: tratar ou não acompanhar o crescimento do meu filho. É claro que eu sabia que precisava tratar. O ginecologista me indicou um mastologista, que me apresntou um oncologista do Grupo COI. Precisei fazer a mastectomia de uma das mamas e um mês depois iniciei a quimioterapia.

E como sua família encarou a notícia?

Meu marido me apoiou, disse que ficaria ao meu lado o tempo todo, que ia me acompanhar nas sessões. A minha mãe ficava muito com meu filho, mas não se sentia bem de ir ao medico comigo. Mas me deu apoio, me ajudou, cuidava de mim. Meu marido ficou do meu lado até a segunda reconstrução mamária, quando, após 15 dias da operação, ele me disse que estava saindo de casa. Meu filho estava com três anos e meio, eu estava de licença médica e em depressão porque estava me sentindo muito mal. Achava que nada ia dar certo. Neste momento, tirei forças nem sei de onde, mas tive que levantar, sacudir a poeira e voltar a trabalhar e cuidar do meu filho.

 Qual foi o momento mais difícil do tratamento?

 Tive dois momentos muito difíceis: a mastectomia foi o primeiro. Até o momento em que entrei na sala de cirurgia, o mastologista disse que tentaria não retirar toda a mama. Quando acordei, vi que a mama precisou ser retirada por inteiro e desabei. Eu tinha esperança, achava que seria possível. Isso mexeu muito comigo. O segundo momento muito difícil foi a minha última sessão de quimioterapia. Já era muito difícil encontrar veia, eu sofria muito com essa procura e não queria ir. Meu marido e minha mãe me obrigaram. Foi tão difícil que eles chegaram e pensar em colocar um cateter, mas no fim não foi preciso. Imagine, só. Na última sessão...

Como encarou a questão da vaidade?

A queda do cabelo também me incomodou muito. Os médicos não têm a preocupação com este tipo de coisa, para eles são detalhes. Eu fui à consulta e depois da primeira conversa eu perguntei como eram os sintomas da quimio. A enfermeira disse que logo na primeira sessão cai o cabelo e sugeriu que eu cortasse bem curtinho para não ter muito choque. Cortei chanel e mesmo assim ainda foi um baque. Eu procurava não pentear muito. Mas um dia, antes de dormir, ele simplesmente começou a cair muito, eu me olhei no espelho com as marcas da cirurgia, o cabelo curto, caindo, fiquei abalada. Então resolvi que ia usar peruca, não tive coragem de ficar sem. Quando o tratamento havia terminado, depois da segunda construção da mama, era verão e eu resolvi que precisava tocar a bola para frente. Abandonei a peruca, dei um corte no meu cabelo, pintei, comprei roupas novas, fiz um curso de automaquiagem e segui em frente.

 O que você pode dizer a outras mulheres que estão enfrentando a mesma doença?

O conselho que eu daria é: não desista. Pode ser muito difícil, tente tudo, desde a medicina alternativa até o mais pesado dos tratamentos. O que der, porque não é só por filho, por marido, é por você, para você se dar outra chance. Deus te deu uma chance porque alguma coisa tem lá na frente. Ele quer que você veja a vida por outro ângulo.

Qual a sensação de poder dizer "eu venci"?

No meu trabalho, algumas pessoas conhecem a minha história e minhas amigas também. Essas pessoas me dizem sempre: “você é muito forte, você é uma guerreira”. Eu não me vejo assim. Até gostaria de ter essa visão, mas digo que eu não tive escolha. Eu não pude escolher entre lutar ou não lutar. Eu só tinha um caminho à minha frente, que era lutar e vencer."

 

fonte: Revista Veja

Depoimento : Ana Kelly Silva

"Como recebeu a notícia de que estava com câncer?

Comecei sentir meu peito enrijecido e mudando de cor, então fui a uma mastologista e o que era pra ser uma simples consulta se tornou a confirmação de câncer de mama e de uma gravidez. Fiquei sem chão, não queria acreditar que aquilo era comigo, queria acordar daquele pesadelo.

E como sua família encarou a notícia?

Meus pais já se foram e só tenho uma irmã, que mora na Paraíba. Mas meus amigos ficaram a todo momento ao meu lado, são minha família de coração.

Qual foi o momento mais difícil do tratamento?

O tempo todo foi difícil, a começar pela quimioterapia. O que mais me preocupava era não ter a certeza se tudo ia da certo, se eu tinha feito a escolha a certa... Eram tantas dúvidas, pois outros médicos tinham me dito que o correto seria tirar o bebê. Eu tomei a decisão de não seguir essa opção. Durante muitas noites, perdia o sono pensando se minha escolha teria sido realmente a melhor, mas de qualquer forma a opção do aborto não resolveria o meu problema. Eu queria muito ter meu filho e no momento isso se tornou mais importante que a doença, mais até do que minha própria vida.

De onde tirou forças para seguir a luta?

A minha maior força foi a minha fé em Deus, e a vontade de viver pra ver o futuro dos meus dois filhos.

Como encarou a questão da vaidade?

A minha vaidade foi abalada, é claro, eu tinha os cabelos imensos e de repente perdê-los... E ainda mais uma mama também... Mas era preciso seguir para poder obter a cura, então procurei conviver com isso de uma forma resignada.

O que você pode dizer a outras mulheres que estão enfrentando a mesma doença?

Eu lhes digo: assim como com tanta dificuldade eu venci, vocês também vencerão, sejam fortes, tenham fé e autoestima, pois de qualquer maneira sempre seremos o sexo mais bonito e forte, desistir jamais.

Qual a sensação de poder dizer "eu venci"?

Hoje é maravilhoso dizer que eu venci, ver meu filho crescendo cada vez mais forte e agora poder afirmar que eu fiz, sim, a escolha certa. É sensacional viver tudo isso agora. Agradeço muito a Deus e a um anjo que ele colocou em minha vida: o Dr. Luiz Guilherme Pinheiro Branco."

 

fonte: Revista Veja