Dicas e Cuidados

26. jul, 2020

Apenas o fato de sentir um nódulo mamário pode gerar uma situação amedrontadora e preocupante, não é mesmo? É compreensível e, por esse motivo, há 8 mitos mais comuns sobre o assunto para que você não tire conclusões precipitadas. 

Mito 1. Um nódulo na mama é provavelmente câncer.


8 entre 10 mulheres que relatam sentir um nódulo mamário não são diagnosticadas com câncer de mama. Alguns nódulos podem aparecer e desaparecer durante o ciclo menstrual, representando um cisto ou um fibroadenoma. De qualquer maneira é importante conhecer seu próprio corpo para detectar uma alteração que pode precisar de uma avaliação médica. Quando o câncer de mama é diagnosticado precocemente, as chances de cura chegam a quase 95%. Esperamos que esse dado seja suficiente para que você se torne mais proativa em relação ao seu corpo e a sua saúde.

Mito 2. Se você tem um nódulo, mas sua mamografia está normal, deixe sua preocupação de lado.

Apenas o médico poderá avaliar o nódulo e a necessidade de repetir a mamografia ou solicitar mais exames, como uma ressonância magnética ou ultrassom das mamas. Em outros casos, o médico também poderá solicitar uma biópsia, retirando uma amostra de tecido para ser analisada.

Mito 3. Câncer de mama não dói.

Não necessariamente. Apesar de não ser sempre doloroso, alguns dos sinais e sintomas mais comuns do câncer de mama são vermelhidão, inchaço, pele sensível e calor local. Por isso, fique atenta. Sentir dor ou incomodo na região do nódulo não descarta um diagnóstico.

Mito 4. Um nódulo sentido durante o período de amamentação pode ser câncer.

Pelo contrário: a amamentação faz com que você fique menos propensa a ter câncer de mama. Quando o bebê mama, as células mamárias ficam produzindo leite e se multiplicam menos, o que reduz o risco de contrair a doença. Porém, se notar um nódulo enquanto amamenta, não ignore-o e procure um médico de confiança.

Mito 5. Se você é jovem, um nódulo de mama não pode ser câncer.

Esse é um dos mitos que mais ouvimos a respeito. Não, o câncer não tem idade e, em qualquer momento ou fase da sua vida, é importante que consulte um médico para que ele avalie um nódulo mamário. Ainda que a maioria das mulheres que recebe o diagnóstico de câncer de mama já passaram da menopausa ou tem mais de 50 anos, um nódulo pode sim ser câncer, mesmo em uma mulher mais jovem.

Mito 6. Nódulos pequenos são menos prováveis que sejam câncer do que nódulos grandes.

Um nódulo mamário pode ser de qualquer tamanho, e o tamanho não afeta as chances de que seja câncer. Sempre que sentir algo em sua mama, que seja novo ou diferente, ainda que pequeno, consulte seu médico.

Mito 7. Se você sente um nódulo, mas já fez mamografia recentemente, tudo bem esperar o ano seguinte para um novo exame.

Caso isso aconteça, entre em contato com seu médico mesmo que os resultados recentes estejam normais. Mamografias podem perder alguns tipos de câncer, especialmente se você tem tecido mamário denso ou se o nódulo encontra-se em locais de difícil acesso, como perto da axila. O médico poderá sugerir uma conduta de observação depois que o exame de imagem da mama for dado como normal, e se nada considerado "suspeito" for sentido durante o exame físico das mamas.

Mito 8. Se não tenho histórico de câncer de mama na família, meu nódulo pode ser considerado 'inofensivo'.

Muitas mulheres pensam que não tem risco de desenvolver câncer de mama, já que ninguém na sua família teve a doença. Porém,  isso não é verdade. Menos de 15% das mulheres com câncer de mama tem um parente que já teve a doença, de acordo com a American Cancer Society. O surgimento de qualquer tipo de câncer está relacionado a inúmeras causas, entre elas, os fatores de risco, como maus hábitos alimentares, consumo exagerado de álcool, sedentarismo e, principalmente, o tabagismo.

Por todos esses motivos, é importante ressaltar mais uma vez a importância de você estar sempre atenta aos sinais e sintomas que o seu corpo apresente. A informação ainda é a melhor forma de prevenção e, prevenção, a única forma de diagnosticar o câncer de mama em estágio inicial, quando as chances de cura são maiores.

Cuide-se! Você é muito importante.

10. mai, 2020
10. mai, 2020
4. ago, 2019

No caso de suspeitar de câncer, é necessário confirmar o diagnóstico, normalmente solicitado pelo médico exames complementares de imagem, como por exemplo:

  • Ecografia: Também conhecida por ultrassonografia, que é um exame que permite detectar lesões em órgãos como fígado, pâncreas, baço, rins, próstata, mama, tireoide, útero e ovários;
  • Radiografia: É um exame realizado através de Raio X, que ajuda a identificar alterações no pulmão, na coluna e ossos;
  • Ressonância magnética: É um exame de imagem que deteta alterações em órgãos como mama, vasos sanguíneos, fígado, pâncreas, baço, rins e supra-renais.
  • Tomografia Computadorizada: É realizada quando se verificam alterações no Raio X e normalmente é solicitada para avaliar os pulmões, fígado, baço, pâncreas, articulações e faringe, por exemplo.

Na maioria dos casos, a confirmação do diagnóstico é feito através da combinação de vários exames, como observação do paciente, exame de sangue, ressonância magnética e biopsia, por exemplo.

* Exames de sangue: Para identificar o câncer podem ser solicitados pelo médico a realização da dosagem de marcadores tumorais, que são substâncias produzidas pelas células ou pelo próprio tumor,  que se encontram elevados no sangue na presença de determinados tipos de câncer

* BiopsiaProcedimento simples no qual um pequeno fragmento da pele ou da mucosa é retirado para análise patológica

2. abr, 2018

Fato: A experiência de alguém com câncer é algo muito pessoal e única. Entretanto, se você se considera amigo de alguém que passa por um momento como esse, saiba que existem maneiras de tornar o processo um pouco mais empático, por exemplo, durante uma simples conversa. E se você anda se perguntando como falar sobre câncer, descubra o que é confortável de se ouvir e o que considero melhor evitar. Confira. 

Pergunte como ele está se sentindo hoje

Para começar, você precisa saber que cada tipo de câncer é diferente e, por esse motivo, cada paciente tem uma experiência única. E o que isso quer dizer? Seu amigo poderá experimentar dias bons e ruins e tudo isso será uma enorme montanha russa, dependendo de como ele estará se sentindo física e emocionalmente. É por isso que se você perguntar, "como está se sentindo hoje?" ao invés de um simples "Tudo bem?" ele provavelmente dará uma resposta mais precisa. Isto também permite maior liberdade para que ele fale sobre a sua atual condição.

Seja específico sobre a ajuda que pode oferecer

Se você quer fazer algo que genuinamente ajude um paciente com câncer, pergunte especificamente o que ele quer que você faça. Tente não abordar o tema de forma geral como "Se há algo que possa fazer,  apenas me avise.". Embora seja um oferecimento gentil, pode ser um problema para ele, imaginando o que pediria para você e também sentindo que pode vir a atrapalhar os seus planos. Em vez de complicar, seja preciso nas ações que você se sente confortável de oferecer, e isso vale desde preparar algumas refeições, cuidar dos filhos, fazer uma faxina, anotar recados ou levá-lo às consultas para que saiba que ele não está sozinho. Acredite, isso será algo muito significativo.

Esteja junto

A melhor forma para se comunicar com um paciente oncológico é estar totalmente presente. Ouça-o sem pensar em qualquer julgamento. Se ele se sente confortável com a sua presença, sentirá que você está 100% junto e passará, então, a dividir abertamente suas preocupações. Às vezes, só escutar já é em si o melhor a fazer. Como o que ele enfrenta nesse momento é um diagnóstico de câncer, você não poderá consertar esse momento ou oferecer uma cura, mas pode lhe oferecer um espaço seguro para que ele se sinta compreendido. No fundo, ele sabe que você não tem a solução, mas ele precisa saber que você pode estar ao lado dele nos bons e nos não tão bons momentos. Estas trocas se tornam muito poderosas e memoráveis.

Nem tão para cima, nem tão para baixo

Receber um diagnóstico de câncer representa enorme mudança de vida e tem quem queira deixar claro que ele, o paciente, se tornou um guerreiro e que espera que ele ganhe essa batalha. Vamos combinar: além de ter que lidar com todo processo oncológico, seu amigo enfrentará um bombardeio de mensagens para que ele seja corajoso diariamente. Isto poderá fazê-lo sentir-se mais no controle de sua doença, mas também fará com que se sinta péssimo em um dia ruim, já que não se sentirá sempre forte o suficiente para lidar com toda essa situação. 

Você não está errado em expressar sentimentos e frases clichês como "Você é MUITO forte, já venceu isso!", afinal, você apenas deseja que seu amigo se sinta mais confiante. Porém, as vezes isso pode parecer indiretamente como se ele não pudesse demonstrar qualquer vulnerabilidade. 
Pensando nisso, sugiro que diga  "Você é uma inspiração pra mim!" ou "Tenho aprendido muito com você...". Essas frases cumprimentam seus esforços, apesar de ter altos e baixos.

Diga alguma coisa. Mas não "qualquer" coisa

O câncer é uma doença de muitos conflitos, onde as pessoas sentem tanto receio que não sabem exatamente como reagir ou o que dizer ao escutar a notícia. Na verdade, ouvir alguém apenas mencionar essa palavra pode ser uma enorme surpresa. Mesmo assim, saiba que ficar em absoluto silêncio (ainda mais quando não estamos por perto), pode ser uma mensagem bastante mal interpretada. Você nem sempre saberá o que dizer, mas veja pelo lado positivo: as vezes, isso pode se transformar em uma grande oportunidade para ouvi-lo. Mesmo quando não souber o que dizer, não se afaste. Quer compreender melhor o diagnóstico dele? Estude! Procure sites de confiança, como o Oncoguia e receba informações de qualidade para não sair dizendo besteira ou "vendendo" remédios que prometem ser a cura do câncer.

Mas, não posso encerrar esse texto sem dizer à você para que não se cobre demais. O câncer não é um processo de tornar o chão aberto apenas ao paciente, ele é para todos os que escolheram estar por perto. E espero que meus conselhos o ajude na decisão de ser uma dessas pessoas. O melhor "truque" para lidar com essa situação sem gafes ou sensações ruins? Pergunte a si mesmo o que gostaria dos outros se VOCÊ fosse diagnosticado com câncer. Isso nunca falha...

 

(www.oncoguia.com.br)